sexta-feira, 29 de maio de 2009

Mais poesia

Antes do regresso um convite:

Photobucket

Seria um prazer ver-vos por lá.

Agora sim o regresso, com o inevitável pedido de desculpas em virtude da pesada agenda dos Hoje (Amália) e dos meus e nossos Moonspell. La Nave Va e ainda bem, estou grato a todos.

Consideração:

Uma das melhores prendas que alguma vez me deram foi um daqueles jogos magnéticos de poesia, que consiste em pequenas etiquetas com palavras (eu tenho em Inglês, não sei se existe em Português) seleccionadas que se estendem desde a mais poética (shadow, void, moment) até às mais comuns (yellow, this, from). As combinações são imensas e escrever com elas é, sem dúvida, magnético em todos os sentidos. Tenho feito nascer coisas de forma descomprometida, sem o peso das teclas ou das penas e muitas dessas novas vidas que se encostam ao meu friogorifico e aos meus inoxs, vão ganhar vida, em especial, no novo disco, nas novas letras de Moonspell. Verifiquem em:

http://cgi.ebay.co.uk/MAGNETIC-POETRY-KIT-ORIGINAL-EDITION-FRIDGE-MAGNETS_W0QQitemZ300316835292QQcmdZViewItemQQptZUK_Toys_Creative_Educational_RL?hash=item45ec473ddc&_trksid=p3286.c0.m14&_trkparms=72%3A1683%7C66%3A2%7C65%3A12%7C39%3A1%7C240%3A1318%7C301%3A1%7C293%3A1%7C294%3A50

Estou apaixonado por este escrever assim.

Voltando ao papel, um poeta imenso que ainda não conheci pessoalmente mas que tenho todo o gosto e honra em divulgar aqui no meu modesto e sempre atrasado blog: Joaquim Cardoso Dias, O Preço das casas, Ed.Gótica, 2002. Aqui seguem alguns belíssmos exemplos:

PREPARAÇÃO DE UM RAPTO

em silêncio estes animais
entram com a noite nos meus passos
e nem sequer me dói o teu nome
atormentado pelas mais altas torres
devagar fecho os olhos neste segredo
e o vento ressoa como um relógio vazio
na casa onde estou só
no peito onde estou contigo

A IDADE DO FOGO

nas pálpebras a fuga ainda é possível
espio o anoitecer por detrás do crespúsculo
e nunca sonhei com essa mentira

as noites imensas respiram onde a minha memória te imortalizou
ouço-te e escuto e grito no teu rosto assim
abro a janela e tenho medo de ouvir a tua voz

em pleno voo o tempo solidificou este monólogo
as palavras que me restam falam devagar
enquanto a noite cresce demorando a loucura
e a maldição de ter amado

amanhã é o último dia do tempo
agora de repente ainda espero por ti

MITOLOGIA

finjo que acredito em ti: amo-te
e sem o saber todos os sonhos
caíram no fim das tuas palavras
antes da única verdade
se ter ferido encostada tanto
ao meu peito

----------


Belíssimo e influente, muito influente para mim. Até ao meu regresso com mais palavras, sempre.

6 comentários:

Maçã disse...

Que bom descobrir-te em blogue e conhecer através de ti esse jogo-de-poesia e esse escritor. Obrigada, Fernando.

Joana

Nocturnal Soul disse...

Agora fiquei com vontade de ter esse Magnetic poetry kit mas não sei se haverá à venda em Portugal. É um conceito totalmente diferente e apelativo.

Ricardo Bernardo disse...

Ainda bem que gostaste.

Acabei por desenvolver uma certa obsessão pelo exercício matinal de misturar palavras e (re)construir o melhor sentido para o resto do meu dia, com aquela esperança de jogador de poker que, sabendo ter a pior mão, vai a jogo com a seguinte combinação:don´t+eat+the+rainbow+of+your+back.

Ainda assim, calha-me enfiar debaixo do braço Justo Jorge Padrón que, sem misturar palavra nenhuma, (re) constrói um dia igual ao primeiro:
"Te miro y voy sintiendo un sobresalto
en la sangre. Te estoy
hablando sin mover
los labios
como si no existieran las palabras.
Es un silencio iluminado
el que escuchamos en nuestras paredes
blancas."

Abraço,
R.B.

starfish disse...

Esse tal jogo magnético deve ser engraçado. É como se pudéssemos brincar com as palavras. Para um letrista de uma banda e também poeta, deve dar um jeitão ;)

Gostei dos poemas, em especial o segundo: A idade do fogo.

Espero que corra tudo bem com os Moonspell e os Hoje, e ficarei à espera do próximo post :)

Beijinhos

Moonshadow disse...

Foi um prazer ver-te na Casa de Fernando Pessoa.

Fabulosas sugestões de leitura...

Muito agradável conversa no final...

Obrigada pelo convite, Fernando!

Filipa

Sininho disse...

que desilusao apenas descobrir este convite hoje!!!
[uma mera coincidência de oito dias]

e eu que, àquela hora, nem fazia nada de educativo!
ficará certamente para a próxima =D*

um beijinho*
ps: fingir-se acreditar é viver na serenidade.
opiniões.