terça-feira, 16 de junho de 2009

triangular

A Casa Pessoa foi um sucesso. Sucesso porque foi sobretudo uma tarde agradável em que se falou de tudo, até do meu casaco, mas sempre a partir dos livros. A título de curiosidade aui ficam os títulos das obras que escolhi:

World Without Us (Alan Weissman, Picador)- não-ficção. um livro sobre o que acontece à Terra e aos vestigios humanos na eventualidade do desaparecimento da raça humana.

Antologia Poética, Justo Jorge Padrón (Teorema, presumo...)- o meu poeta preferido de todos os tempos.

Zorba, o Grego. Nikos Kazantsakis (Ulisseia)- curiosamente intitulada em Portugal O Bom Demónio. a melhor história e a personagem homem mais verdadeira da história da Literatura, esqueçam o dorian gray lol

Levei três livros como se fosse para a estrada, levo sempre uma biografia/não ficção, poesia e romance.

Por fim o livro que ando verdadeiramente a ler (ainda): Perdido de volta, Miguel Gullander. Veneno e dinamite. Um dos melhores livros que já li ou ando a ler.

Outras coisas:

Como já disse por diversas vezes que ainda estou na ressaca da poesia dos Diálogos... Tenho andado afstado dela. Concentro-me com entusiasmo nas novas letras de Moonspell e num projecto de conto de ficção a convite da Gailivro que sairá no fim do ano e que melhor conta vos darei entretanto.

Mas leio muita e escrevo alguma. Eis uma gota nova:

Porque desafiar-te, se és superior?
Porque negar-te, se existes dentro de mim?
Porque ousar ser como tu, se me sobreviverás?
Porque temer-te se és minha semente?

És o que vale a pena.


Um abraço cheio de palavras!

4 comentários:

Veronika disse...

Gosto da poema pequena. O compreensivo das palavras aquelas conduz ao a vida cheia.
Ou, eu penso isso, pelo menos:)

Se a poema significa o mesmo, que compreendo:)

starfish disse...

Adorei lá estar! :) Estava um ambiente mesmo muito agradável, e foi bastante divertido. Também foi a partir dos livros que soubemos que os Moonspell usaram hum... toalhas cor-de-rosa? =P

Estavámos em casa de um grande poeta... Dois artistas. Dois Fernandos. Com uma coisa em comum: Ambos com muito talento. Adorei a tua "gota nova". Dá que pensar, lá isso dá :)

Beijinhos

P.S- Da próxima vez, levo-te umas latas de atum, está bem? ;)

Soraya Azevinho disse...

é bom ver que ainda existe quem faça escolhas com vontade =D

ouso esperar pelas revelaçoes desse novo projecto! tanto quanto ouso procurar o que me vale a pena.

talvez nao se procure...*

Anônimo disse...

- Porque é que o melhor livro que já lemos é aquele que andamos a ler?

- Nem sempre. Tal acontece, apenas porque encontrá-mos o livro certo. Há livros que compramos, outros que nos são oferecidos, outros ainda são achados na rua após o esquecimento ou desprezo de alguém. Também há os livros emprestados e os roubados...
Já aconteceu estar a ler o pior livro, ainda me lembro, foi a Metafísica do Amor/Metafísica da Morte, de Schopenhauer. Sei porque digo isso, que foi um mau livro, possivelmente porque na altura não havia preparação para o assunto, fazendo o juízo que o sr. dissecava o amor da forma mais rude, fazendo-me crer que ele desconhecia mesmo o que é o amor.
Agora, tivesse eu a oportunidade de voltar a ter esse livro nas minhas mãos, como seria?

- Vamos ver se terá ou não essa oportunidade. Agora será o espírito que o avaliará, e possivelmente poderá encontrar uma joia onde antes viu um fardo de palha.

- Quem sabe, quem sabe...